quinta-feira, 28 de março de 2013

GRUPO GALILEO PROMETE RESPOSTA PARA FALTA DE PAGAMENTO EM ABRIL


As dívidas salariais de funcionários e professores das faculdades Gama Filho e UniverCidade, administradas pelo Grupo Galileo Educacional, foram temas de um audiência pública realizada, nesta quarta-feira (27/03), na Comissão de Trabalho, Legislação e Seguridade Sociais da Assembleia Legislativa do Rio (Alerj). “Se as assembleias internas organizadas por eles não forem suficientes para solucionar o problema, marcaremos uma reunião com todas as centrais sindicais, representações estudantis e empresários”, disse o presidente da comissão, deputado Paulo Ramos (PDT).

Durante audiência, realizada no Auditório Senador Nelson Carneiro, no prédio anexo ao Palácio Tiradentes, representantes do Grupo Galileo prometeram dar uma resposta aos funcionários, professores e alunos já no próximo mês. Uma ação civil pública pedindo que o Ministério de Educação intervenha diretamente na situação das duas instituições já está em processo no Poder Judiciário.
“Ficamos muito incomodados com a insinuação feita pelo grupo Galileo de que as comissões de Trabalho e Parlamentar de Inquérito (CPI) da Alerj estariam atrapalhando as negociações. Mas acho que é o contrário. Ao revelar os problemas encontrados, queremos também que os mesmos sejam solucionados”, declarou o deputado Robson Leite (PT).
Segundo o presidente do Sindicato dos Professores do Rio (Sinpro-Rio), Wanderley Quêdo, a fusão das faculdades Gama Filho e da UniverCidade é ilegal. “A lei permitiu que o grupo Galileo mantivesse ambas as instituições, mas não que as tornasse uma só”, denunciou. Ele disse que o fechamento de quatro campus das instituições, em novembro de 2012, fez com que o curso de Enfermagem da UniverCidade fosse ministrado em um prédio da Gama Filho.
Já o presidente do Sindicato dos Auxiliares de Administração Escolar do Rio (Saae-RJ), Elles Carneiro, lembra que já foi prometido que os salários atrasados seriam pagos. “Esperemos que o ônus não caia em cima dos funcionários, porque isso seria inaceitável”, disse. O deputado Paulo Ramos finalizou: “Se as expectativas dos professores e funcionários não se concretizarem, serão todos convocados para uma reunião, que não será audiência pública, mas uma tentativa de negociação que pretendemos supervisionar”, finalizou Paulo Ramos.

SITE DA ALERJ - (texto Amanda Bastos)

CONVITE


terça-feira, 26 de março de 2013

O PDT se distancia da sua verdadeira razão de ser




Venho a esta tribuna, mais uma vez e lamentavelmente, para denunciar os dirigentes do meu próprio partido, o PDT.
Na última sexta-feira, através da presidência do  Carlos Lupi, tendo como secretário-geral do PDT o  Manoel Dias, atual Ministro do Trabalho, foi perpetrado mais um golpe para a eternização de uma direção partidária que vem aniquilando o partido, que deveria ser de Leonel de Moura Brizola.
O PDT foi transformado numa legenda de aluguel, num cartório, num balcão de negócios. Eu poderia, citar inúmeras irregularidades e ilegalidades, porque a direção partidária convocou, açodadamente, deferindo um prazo pequeno, uma convenção.
Fez exigências, no pequeno período deferido, de impossível cumprimento. Como alguém pode organizar uma chapa com mais de 400 membros sem conhecimento de nome e telefone dos membros mais privilegiados ou mais prioritários para inclusão na chapa, e ainda, para recolher a assinatura, o expresso consentimento para incluir na chapa? Não vou nem considerar o local da convenção: Luziânia, a 50 quilômetros de Brasília; nem que a direção, numa atitude imoral e abjeta, só disponibilizou passagens e hospedagens para os seus conluiados.
Mas aí, antes da convenção, de 9 às 10 horas, foi realizada a última reunião do diretório regional, porque logo depois, das 10 às 14 horas, seria eleito um novo diretor. Com certeza absoluta, não havia quórum. O presidente do PDT, Carlos Lupi, permitiu a presença no auditório de muitos membros da Juventude do PDT, do Movimento de Mulheres, de convidados e realizou a votação para que o diretório aprovasse as imoralidades, as obscenidades impostas pela comissão executiva.
E aí,  quando foi solicitada, pelo menos, a separação, para que ficasse visto o quórum existente, o Carlos Lupi, de forma debochada, que, aliás, vem sendo a sua principal característica, não atendeu. E, mesmo depois de concluída a votação, não foi possível verificar a relação daqueles que assinaram a lista de presença. Tudo porque não havia quórum.
Para demonstrar o estágio lamentável em que se encontra o Partido Democrático Trabalhista, lembro que, compondo a mesa dos trabalhos, estavam algumas figuras que entendemos respeitáveis, como o Senador Acir Gurgacz, o Senador Cristóvão Buarque, o Senador Pedro Taques e o ex-Governador Ronaldo Lessa. Como e por que figuras respeitáveis como essas aceitam a situação de indigência política em que se encontra o PDT? Depois de muito meditar e de muito pesquisar, concluí: o silêncio reside no fato de cada um deles ser, praticamente, um dos donos do PDT nas respectivas unidades da Federação. O PDT se transformou num partido de donos.
E aí a afirmação é óbvia: “Desde que eu faça, aqui no meu Estado, o que quero com o partido, eu apoio os dirigentes atuais”. Não há a participação da militância. O PDT há muito não participa das lutas populares, não está inserido nos movimentos sociais. Há muito que o PDT se distancia da sua verdadeira razão de ser.
Então, que eles continuem dando o golpe, mas que saibam que haverá sempre, pelo menos desta tribuna, uma denúncia veemente, a de que eles permanecem na direção do partido, aniquilando o partido, usando de forma desconhecida o fundo partidário, dinheiro público; a de que eles fazem acordos políticos em troca de cargos, como acontece aqui, no Estado do Rio de Janeiro, quando o PDT apoia, sem qualquer razão, o Governo Sérgio Cabral, um governo que não guarda qualquer ligação com a trajetória do partido. Não é possível encontrar no Governo Sérgio Cabral uma política pública que se compatibilize com os compromissos ideológicos e com os compromissos programáticos do PDT. Mas o PDT tem duas secretarias, ocupa vários cargos no governo, tendo se transformado num partido fisiológico: troca de cargos, troca de benesses, e a causa partidária, às favas.

quinta-feira, 21 de março de 2013

O PDT perdeu a sua identidade, foi transformado praticamente num cartório, num balcão de negócios, numa legenda de aluguel





Farsantes que dirigem, desgraçadamente, a minha legenda, o PDT. Organizaram para amanhã, uma convenção para a eleição do novo Diretório Nacional. A reunião que marcou a data da convenção foi realizada no último dia 04, disponibilizados, portanto, apenas 18 dias para a organização de chapas. Eles, controlando autoritariamente o poder, tendo todas as informações, quem se opõe não teve acesso sequer aos endereços, telefones e e-mails dos membros do Diretório Nacional. Ainda, para completar, impuseram a exigência, para registro de chapa, do apoio de 1/3 dos membros dos diretórios. Conclui-se que somente três chapas poderiam ser registradas, assim mesmo, fazendo uma divisão exata: um terço, um terço, um terço. Se alguém alcançasse um apoiamento de mais de um terço, só duas chapas, no máximo, poderiam ser registradas.

Ainda, para culminar, determinaram aos estados que têm diretórios organizados a data do último dia 15 para a escolha de seus delegados e, ainda, para a apresentação da chapa, o prazo máximo cinco dias antes da convenção, dia 17.

Publicam a relação dos delegados no dia 15, sem qualquer endereço telefônico. Eles, que dominam, de forma autoritária, o Partido, tendo todas as informações. Ainda, para completar, marcam uma convenção para Luiziânia, que fica a 50 quilômetros de Brasília, dando passagens aéreas, transportes e hospedagens somente para os que apoiam a turma da situação.

Ingressamos, obviamente, com ações judiciais. Estamos aguardando, ainda, de hoje para amanhã, qualquer decisão justa, mas que suspenda esse golpe, que vem sendo perpretado, por aqueles que se apropriaram da legenda do PDT, os donos do Partido. Mas, é preciso dizer também que eles desorganizaram, de tal forma, o Partido, porque sabem que, quanto mais desorganizado, mais fácil o controle. Intervenção aqui, intervenção ali. Não lendo na cartilha dos oportunistas controladores do PDT, há dificuldades para participar de qualquer órgão dirigente. Comissões provisórias, às vezes nem Comissão Provisória. Depois de todas as denúncias feitas, inclusive, a denúncia de que o PDT chegou a não ter diretório organizado em nove Estados, eles correram para organizar. Quando marcam a convenção, tomamos conhecimento de que nove Estados em 27 também não têm diretórios organizados ainda.

Temos denunciado que o PDT perdeu a sua identidade, foi transformado praticamente num cartório, num balcão de negócios, numa legenda de aluguel. O PDT hoje perdeu a sua identidade, o PDT não se insere mais nos movimentos sociais, não participa das lutas populares. O trabalhismo, como via para a construção do socialismo, há muito deixou de existir nas mãos desses oportunistas. Pelegos! Traidores! E eles ainda ousam falar em nome de Vargas, Jango e Brizola. Todos devem estar se revolvendo no túmulo.

Eu tenho adjetivado o presidente nacional do PDT, que é presidente nacional, presidente regional no Estado do Rio de Janeiro e presidente na capital, é o tríplice coroado Carlos Lupi. Ele, ex-ajudante de ordens de Brizola, era aquele que cumpria as determinações imediatas, porque Brizola tinha autoridade moral e autoridade política para conduzir o trabalhismo, mas ele não. Aproveitando da morte do Brizola, conhecendo os mecanismos, assumiu o controle e vem se perpetuando. É claro que tem alguns aliados.

Algo muito preocupante. Quando caminhávamos para a realização da convenção, a Presidente da República Dilma Rousseff demite o Ministro do Trabalho e coloca o braço direito de Carlos Lupi,  Manoel Dias, à frente da Pasta, para aniquilar de vez o PDT, para construir seu palanque para 2014. Afinal de contas, se ela escolheu o Deputado Brizola Neto para Ministro do Trabalho, e eu estava lá na data da posse, ouvi o discurso por ela feito, quando ela falou em Brizola, Jango, Vargas, falou no trabalhismo e, inclusive, partido a que ela pertenceu, que agora, com a simulação, a ameaça de Carlos Lupi de que o PDT poderia ter candidatura própria em 2014, ela vem e joga a pá de cal, nomeia o Manoel Dias, Secretário Geral do PDT, para Ministro do Trabalho, impossibilitando ainda mais a nossa luta interna e fortalecendo os fisiológicos, em troca de apoio em 2014.

Amanhã será a convenção. Estaremos lá para denunciar esses farsantes, para tentar dizer que o PDT não é aquilo, o PDT não pode ser transformado em algo amorfo, sem causa. Vamos proclamar na longínqua Luziânia: “Fora, Lupi! Fora, Manoel Dias! Brizola vive! Salve o trabalhismo!”

CPI ENTRA COM AÇÃO PEDINDO INTERVENÇÃO DE MINISTÉRIO EM UNIVERSIDADES


 Membros da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Assembleia Legislativa do Rio (Alerj) que investiga denúncias contra as universidades particulares do estado protocolaram, nesta quinta feira (21/03), uma Ação Civil Pública na 14ª Vara da Justiça federal pedindo a intervenção do Ministério da Educação nas universidades administradas pelo Grupo Galileo de Ensino.  A iniciativa foi acompanhada de um ato público que reuniu estudantes, professores e representantes do Sindicato dos Professores do Município do Rio e Região (Sinpro-Rio).

Relator da comissão, o deputado Robson Leite (PT) disse que a intervenção está prevista no Regimento do ministério e é necessária para garantir as aulas e a formatura dos alunos, além do pagamento dos professores. “As universidades administradas por esse grupo estão falidas, grande parte das dívidas é por questão de aluguel dos espaços onde as instituições estão localizadas e alguns desses locais já foram tomados pelos proprietários dos terrenos”, frisou o parlamentar. O grupo é responsável pela gestão da Universidade Gama Filho e da UniverCidade.
As declarações do deputado foram confirmadas pelo presidente do Sinpro-Rio, Wanderley Quêdo, que afirmou que esse problema não atinge apenas professores e alunos, como também funcionários e suas famílias. Segundo ele, somando as duas universidades, são cerca de 60 mil pessoas atingidas pela questão, que engloba atraso de pagamentos de salários, de férias e do recolhimento de FGTS. O presidente da CPI, deputado Paulo Ramos (PDT), adiantou que o relatório final dos trabalhos deve ficar pronto na próxima semana, e que existem provas contra os administradores do Grupo Galileo e de outras universidades.
“A CPI está concluindo o relatório, mas precisamos de uma solução mais imediata. Na próxima quarta-feira (27/03), teremos uma reunião na Comissão de Trabalho da Casa, que eu também presido, sobre este assunto. Tentaremos garantir a presença dos gestores do grupo Galileo para que possam dar explicações”, acrescentou o pedetista.



[MP3] Ouça a Rádio Alerj





SITE DA ALERJ

Manifestação marca 10 dias de greve na Gama Filho e UniverCidade


Uma manifestação marcada para as 12h desta quinta-feira, no Centro do Rio de Janeiro, irá marcar os dez dias do início da greve nas universidades Gama Filho e UniverCidade. O protesto de alunos e professores pela intervenção do Ministério da Educação (MEC) contra a gestão do grupo Galileo Educacional S/A vai ser realizada próximo a Cinelândia.

Os manifestantes do corpo docente reivindicam os pagamentos de janeiro, fevereiro e o valor referente às férias do período 2011/2012. Já os alunos querem o retorno imediato das aulas.

O protesto vem após o assunto descambar esfera acadêmica para a Justiça. Os deputados estaduais Paulo Ramos (PDT) e Robson Leite (PT) abraçaram a causa e abriram a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) das universidades. Eles vão protocolar na Justiça um pedido de intervenção do MEC nas duas universidades.

O SRZD conversou com o parlamentar pedetista, que culpa o MEC pela falta de fiscalização e condena o que chamou de "terrorismo" praticado pelo grupo administrador dos centros de ensino.

"Vamos pedir providências em relação ao MEC. Não podemos imaginar o fechamento das universidades, esse terrorismo que os controladores (grupo Galileo S/A) mantém", afirmou Paulo Ramos.

Além de pressionar o MEC, o deputado disse ainda que a interferência judicial tem como objetivo "criar alternativas" para os professores e alunos prejudicados com a paralisação.

"Entendemos que precisávamos levar a questão pro âmbito judicial. Temos que criar soluções para resolver a questão dos professores e dos alunos, principalmente aqueles que estão em fase de conclusão. Agilizar as tranferências se for o caso", explicou.

Em abril do ano passado, os mesmos funcionários fizeram greve por conta de salários atrasados. Na época da aquisição das universidades, o grupo Galileo prometeu investimentos da ordem de R$ 100 milhões de reais.

Apesar disso, no último dia 26 o o presidente do Galileo Educacional S/A, responsável pela Gama Filho e UniverCidade, Alex Klyemann, admitiu que o grupo possui R$ 900 milhões em débitos tributários. A declaração foi dada durante sessão da CPI na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj).

Reprodução: Blog do Sidney Rezende

Deputados aprovam mudanças no Plano estadual de Educação

Os deputados estaduais derrubaram, na tarde desta quarta-feira (20), o veto do Executivo ao projeto de lei que modifica o Plano estadual de Educação, sancionado em 2010.

Foram realizadas três mudanças. A Escola Técnica estadual de Teatro Martins Pena passará, em no máximo seis meses, a integrar a estrutura da Fundação de Apoio à Escola Técnica do Estado do Rio de Janeiro (Faetec). Antes, a instituição era submetida à Secretaria de Cultura.

Os Institutos Superiores de Educação devem permanecer sob a responsabilidade da Faetec. O plano original previa que, em cinco anos, elas seriam transferidas para a Uerj e Uenf.

Por último, foi derrubado o item que previa a mudança de nome da Faetec para Fundação de Apoio à Educação Profissional no Estado do Rio de Janeiro.

O projeto é de autoria do deputado Paulo Ramos (PDT). O nobre argumentou que as mudanças apenas oficializam algo que já ocorre na gestão do plano.

Reprodução: Coluna Extra/Extra

terça-feira, 19 de março de 2013

A TRAGÉDIA DAS CHUVAS



Há tempos atrás, quando surgiu o embate e o debate, falei aqui: – Não há motivo para grandes preocupações, porque aquilo que pretende o Congresso Nacional, por sua maioria, é inconstitucional. Eu nem sei se é algo intencional: mobiliza o debate, algumas correntes políticas faturam; inclusive o Governador do Estado se apresentou como o grande defensor dos interesses do Estado do Rio de Janeiro; tentou até dizer que liderava a luta em defesa do Rio de Janeiro. Eu tive a oportunidade de dizer: participo da luta, mas não sou liderado pelo Governador. Participo, até lamentando que não tenhamos um projeto nacional. Quer dizer que estamos jogando unidades Federação contra outras? O Sudeste contra o Nordeste, ou vice-versa? Brasileiros sendo jogados contra brasileiros? Uma nova guerra de secessão. Vamos tentar, então, proclamar a independência dos Estados, porque o Brasil não tem um projeto nacional, um modelo de desenvolvimento que enfrente o contraste regional, que realize as vocações de cada região, um projeto afirmando a soberania nacional. Não tem! Continuam leiloando o nosso petróleo, as bacias sedimentares.
O Governador vem e sinaliza com três milhões. E a população envolvida? Como ficam as populações de Xerém, de Petrópolis e da Região Serrana, de um modo geral? Imaginei inclusive que estaria lá a postos em Xerém o Zeca Pagodinho, para chamar a atenção para o problema, já que é uma figura notória, mas que estaria lá, mais uma vez... Desta vez não só mobilizando meios, mobilizando socorro, mas desta vez denunciando o descaso, porque não é possível que a mesma tragédia aconteça aos mesmos locais a cada chuva, sem que as providências sejam tomadas. Mas quando eu digo as providências, falo das que demonstrem a responsabilidade dos governantes. ‘Ah, mas agora vamos ver quanto o Governo Federal, a Presidente da República vai liberar para complementar mais de três milhões que o Governador disse que vai aplicar’. Chega a ser um deboche, uma afronta, um desrespeito à população.
Esta Casa fez uma Comissão Parlamentar de Inquérito, houve uma comissão especial e no que resultou isso? O Governo virou as costas. Houve desvio de recurso público? Alguém está na cadeia por ter desviado o dinheiro destinado a obras de recuperação ou de prevenção? Não! A população continua sofrendo.
Portanto,  pelo menos que o Governador Sérgio Cabral não vire as costas, que assuma o mesmo papel que tentou demonstrar que estava assumindo na questão dos royalties; que possa ele ser o grande coordenador e o grande mobilizador de recursos exatamente para quê? Para a superação do problema, para a tranquilidade da população, para que possamos amanhã dizer: a Região Serrana, Xerém, tudo está verdadeiramente protegido. Vai instalar apenas sirenes para assustar a população: “Olha, nós instalamos sirenes porque, quando ameaçar chover, vocês podem começar a correr!” Não é o risco: é a certeza da tragédia.
Vamos acreditar, denunciando e exigindo que as providências sejam tomadas para que, amanhã, as famílias possam morar com tranquilidade, sem sirene, mas com a certeza de que qualquer chuva não vai sair arrastando as residências e arrastando as vidas.

quinta-feira, 14 de março de 2013

A Rede Estadual de Saúde está completamente abandonada.



PROJETO DE LEI 1146/2011, DE AUTORIA DO DEPUTADO LUIZ MARTINS, QUE INSTITUI A CAMPANHA DE CONSCIENTIZAÇÃO E COMBATE À AUTOMEDICAÇÃO

Vejo com alguma amargura a iniciativa do Deputado Luiz Martins. Digo com amargura, por quê? Porque fico eu com a impressão de que o autor da iniciativa não tenha conhecimento da situação da rede de Saúde do Estado do Rio de Janeiro. Uma campanha pretende o Deputado Luiz Martins, e veja, campanha estadual de conscientização e combate à automedicação. Olhando a situação da Saúde do Estado, a primeira coisa que salta aos olhos de qualquer cidadão minimamente informado é o enriquecimento veloz do Secretário de Estado da Saúde,  Sérgio Côrtes.
A Revista Época da semana passada faz uma síntese demonstrando claramente que, pelos cargos ocupados pelo Secretário de Estado da Saúde e por aquilo que representaria a sua renda, era impossível constituir o patrimônio declarado pelo Secretário Sérgio Côrtes. Mas é preciso olhar a revolta dos servidores estaduais da Saúde.
Embora tenha sido um compromisso assumido pelo Governador Sérgio Cabral, quando da campanha eleitoral - o Governador assumiu o compromisso assinando-o - os servidores da Saúde não têm Plano de Cargos, Carreiras e Salários, lei aprovada por esta Casa. Não têm o Plano e não recebem reajustes ao longo dos últimos anos.
Estive no Hospital Rocha Faria em uma reunião dia 11/03 com os servidores. Lá estavam os servidores estatutários, os servidores contratados pela Fesp e concursados, mas celetistas, e servidores contratados por empresas prestadoras de serviços. No Rocha Faria já existe um processo de privatização do hospital para entregar às OSs etc., dirigidas por amigos daqueles que estão no poder.
Temos na área da Saúde servidores submetidos a regimes jurídicos diferentes, todos recebendo salários os mais aviltantes, a começar pelos estatutários. Aliás, há também atraso no pagamento de salários daqueles que são terceirizados.
A proposta que discutimos é para a conscientização em relação à automedicação. Mas, será que fica difícil lembrar que o Governador Sérgio Cabral fechou o Instituto São Sebastião, instituto de infectologia no Caju que caminhava para completar 120 anos.
Quando olhamos no Estado do Rio de Janeiro a epidemia da dengue, é preciso lembrar que o Instituto São Sebastião, no ano que antecedeu à sua extinção, tratou de mais de 2.000 infectados sem um óbito. O Instituto de Infectologia São Sebastião, no Caju, não era apenas uma referência nacional, era um instituto credenciado em outros países do mundo. Os pesquisadores, as equipes, foram completamente desmantelados; aliás, foram transferidos para o IASERJ Central, também fechado pelo Governador Sérgio Cabral. Eram 12 prédios, 42 especialidades; oferecia tratamento de feridas crônicas. Era o único hospital do Estado fazendo isso. Quantas pessoas deixaram de ser amputadas devido ao tratamento recebido no IASERJ.
Os servidores públicos viram no fechamento do IASERJ Central mais um golpe, porque o IASERJ Maracanã e o IASERJ Madureira já transferidos para a Prefeitura. O IASERJ Penha, idem. O IASERJ Gávea, para o Tribunal de Justiça. O IASERJ Niterói também fechado.
O atendimento devido aos servidores públicos em sua rede própria está inviabilizado porque está concentrado no IASERJ Maracanã, que não dispõe de instalações suficientes para o atendimento.
Além do Instituto São Sebastião e do Hospital Anchieta, o Governador Sérgio Cabral vem aniquilando a rede IASERJ para atendimento exclusivo do servidor que paga por isso. Pagou durante anos a fio, e agora é golpeado.
E o Hospital Pedro II? A explosão de um transformador, criminosa, provocando o fechamento do hospital e realização de obras, entregando para a administração municipal, conveniando com uma OS: a privatização. Aliás, o Hospital Pedro II teve mudado o seu perfil, exatamente devido à construção da Companhia Siderúrgica do Atlântico, que está poluindo a região, fazendo com que as pessoas adoeçam e não era razoável, na visão do Governo, dispor de uma unidade hospitalar concentrando os atendimentos. Seria fácil reconhecer o transtorno para a população de Santa Cruz e adjacências causado pela CSA. Aliás, objeto de uma comissão especial, que já concluiu os seus trabalhos e brevemente vai apresentar o relatório. Temos o Hospital Carlos Chagas mudando de perfil.
Deixando de atender diversas clínicas. O Hospital Alberto Schweitzer, enfim, todos parecendo verdadeiros campos de concentração. E o assédio? Os hospitais vão sendo fechados e os servidores constrangidos, ameaçados, transferidos. Aí, talvez movido da maior boa fé, vem o Deputado Luiz Martins propor uma campanha de conscientização à automedicação. Chega a ser surpreendente, porque a situação da Saúde no Estado do Rio de Janeiro é - escandalosa. Não é a questão da automedicação o problema mais grave.
Temos a destruição da Rede Estadual de Saúde; a Secretaria de Saúde transformada em um antro de corrupção e o Secretário de Saúde Sérgio Cortes enriquecendo a olhos vistos. Não sei onde está a Receita Federal, onde está o Ministério Público, onde está o Judiciário, porque já disseram: “O que é notório e público independe de provas”.
O Secretário Sérgio Cortes, além do enriquecimento óbvio, ainda faz parte da famosa “República do Guardanapo”, com seu périplo em Paris, em Trancoso e em outros paraísos também fiscais.
Vamos ver  se as iniciativas nesta Casa se dirigem a fazer com que a Rede Estadual de Saúde corresponda às exigências e aos direitos da população, que se vê completamente abandonada.

quarta-feira, 13 de março de 2013

EXAMES DE CÂNCER DE MAMA E DE COLO DO ÚTERO


Todo ano, no dia em homenagem às mulheres, há uma mobilização de notícias demonstrando a incidência do câncer de mama e do câncer do colo do útero, as mortes decorrentes, uma das principais causas de morte de mulheres, e aí vem a exigência, a importância da prevenção. E é preciso dizer, eu faço não como autor da lei, mas a par da gravidade da situação. Há uma lei em vigor no Estado do Rio de Janeiro que confere a toda mulher que trabalhe tanto no serviço público quanto na iniciativa privada um dia de dispensa, por ano, para realização do preventivo do câncer de mama e de colo do útero. As mulheres que trabalham no Estado do Rio de Janeiro, tanto no serviço público quanto na iniciativa privada, têm por lei um dia de folga para a realização do exame preventivo.

Não posso imaginar que o setor patronal interponha qualquer resistência. Não posso imaginar que os sindicatos dos trabalhadores, em tendo conhecimento da existência dessa lei, não participem de uma ampla campanha de divulgação exigindo o cumprimento da lei de prevenção do câncer de mama e do colo do útero, em homenagem às mulheres.

CPI das Universidades Privadas do Rio de Janeiro

Presidente da CPI, o deputado Paulo Ramos também critica a carta enviada aos professores. Segundo ele, a Galileo já vem sendo convocada à comissão desde sua abertura, em agosto passado. Mas mudanças constantes na controladoria do grupo dificultariam as investigações. O atual controlador do grupo, o empresário Adenor Gonçalves, do ramos de construção civil e saúde, por exemplo, foi convocado à CPI, mas ainda não compareceu. Só contra Adenor, aponta levantamento da CPI, há 16 processos da Justiça Federal, 27 no Tribunal de Justiça do Rio e dois no da Bahia.
— Tentaremos instaurar também uma CPI mista no Congresso Nacional. Porque o que está acontecendo no Rio ocorre em todo o Brasil, com exemplos de gestão fraudulenta, enriquecimento ilícito, desvio de recursos públicos, precarização das relações de trabalho, entre outros ilícitos — diz Paulo Ramos.
 
Crise financeira põe em risco formação de estudantes na Gama Filho e na UniverCidade: JORNAL O GLOBO

CPI - Recursos das taxas de incêndio



CPI
O deputado estadual Paulo Ramos (PDT-RJ) está requerendo uma CPI na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj) para investigar de onde vêm e para onde vão os recursos destinados ao Corpo de Bombeiros. Segundo ele, o caso do Leblon “demonstra o risco a que são submetidos os próprios bombeiros, que não têm equipamentos”.
“Tenho certeza que os recursos das taxas de incêndio, pagas pela população, estão sendo usadas em diversas finalidades, distantes da destinação correta, que é para o aparelhamento da corporação. Como tem escada Magirus em um quartel e em outro não? Esse equipamento é essencial, levando em consideração o tamanho dos edifícios do Rio de Janeiro. Se no da Gávea não tem, imagina a situação dos quartéis de Realengo, Baixada Fluminense ou Zona Oeste”, ressalta o deputado.

Por trás das falhas, os problemas do Corpo de Bombeiros do Rio: JORNAL DO BRASIL

sexta-feira, 8 de março de 2013

HUGO CHÁVEZ O GRANDE ESTADISTA

Hugo Chávez é um exemplo, vai permanecer vivo porque vivas permanecerão as ideias. Quero manifestar o meu pesar, e me solidarizar ao povo venezuelano e homenagear o grande estadista!

EM 2007 PRESIDENTE DA VENEZUELA RECEBE MEDALHA TIRADENTES NA ALERJ



"Farei todo o possível, por todos os dias da minha vida, para merecer esta homenagem". Com esta frase, o presidente da República Bolivariana da Venezuela, Hugo Chávez, resumiu todo seu sentimento por ter sido homenageado com a Medalha Tiradentes, principal comenda do Estado do Rio de Janeiro, nesta sexta-feira (19/01), na Assembléia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj). Durante o discurso de agradecimento, que durou duas horas e 10 minutos, Chávez exaltou Tiradentes e o comparou à Simón Bolívar. "Estamos até hoje lutando pelo mesmo ideal de Tiradentes, a liberdade. E esta medalha me compromete com o povo do Brasil. Sinto-me um soldado do batalhão de Tiradentes", disse o presidente venezuelano para uma platéia de aproximadamente 800 pessoas. Autor da homenagem, o líder do PDT na Alerj, deputado Paulo Ramos, justificou a iniciativa falando sobre a importância das posições adotadas por Chávez. "Na América do Sul, vozes estão se levantando pelo direito do povo optar por experimentar modelos alternativos, escolheres seus caminhos. Além disso, é nosso dever assumir que o capitalismo tem causado muitos problemas para vários povos", disse o pedetista. A sessão foi comandada pelo presidente da Alerj, deputado Jorge Picciani (PMDB). "É uma alegria recebermos Hugo Chávez na Alerj, pois é um presidente que governa para o povo e pelo povo, independentemente das vontades da elite. Além disso, foi eleito pelo voto da grande maioria dos venezuelanos", lembrou Picciani. Além dos deputados estaduais e do homenageado, o deputado federal Chico Alencar (Psol-RJ), representando o Congresso Federal, completou a mesa. Chávez chegou ao Palácio Tiradentes às 18h25 e foi recebido aos gritos de "Chávez, amigo, o Brasil está contigo". O presidente venezuelano foi recepcionado, na porta da Alerj, por Picciani e Paulo Ramos. Antes de entrar no Plenário Barbosa Lima Sobrinho, Chávez e sua comitiva conversaram reservadamente com os deputados, na sala da presidência da Casa. Sempre acompanhado por uma intérprete, o presidente foi recebido por uma platéia que o aplaudiu de pé. Após o longo discurso, em que abordou questões polêmicas na área da política, economia, relações internacionais, energia e telecomunicações, o presidente finalizou com sua tradicional frase: "Hasta la vitória, siempre". Antes do encerramento da cerimônia, no entanto, a cantora Beth Carvalho, presente ao evento, homenageou Chávez cantando o samba-enredo da escola de samba Império Serrano de 1949, "Exaltação a Tiradentes".

quinta-feira, 7 de março de 2013

DESABAMENTO NA 13 DE MAIO E O INCÊNDIO NO LEBLON


Há um ano e pouco, dois prédios caíram na Av. Treze de Maio, no centro do Rio de Janeiro e houve a comprovação de que a estrutura do prédio tinha sido alterada. O acidente aconteceu exatamente pela fragilização das estruturas, as obras feitas. E aí o Ministério Público, dentro os denunciados, inclui os pedreiros. Os pedreiros foram incluídos como criminosos, os trabalhadores, aqueles que estavam ali meramente cumprindo com suas tarefas do dia a dia.
O Juiz da Vara Criminal não aceitou, não acolheu a denúncia do Ministério Público e o Ministério Público recorreu, para que os pedreiros sejam processados pela prática de crimes porque mexeram, fizeram a obra, cumprindo, naturalmente, a ordem de um engenheiro que determinou, do dono da empresa que cuidava.

Houve um incêndio num prédio no Leblon, vitimando pessoas. Mas, comprovadamente, o hidrante não tinha água, o Corpo de Bombeiros não tinha escada Magirus e aí, surpreendentemente, os jornais noticiam que existe a possibilidade de serem denunciados, por homicídio culposo, os bombeiros que estavam lá para o atendimento daquela ocorrência - houve morosidade no atendimento. Como se aquele que está dentro do quartel, da unidade do Corpo de Bombeiros, atento, aguardando o momento para sair de sua unidade para atender as ocorrências, ele próprio tenha deixado de agir com a velocidade necessária. É muito duro, isto!
  
Estamos tratando de uma questão que alcança a imagem do Corpo de Bombeiros. Querem responsabilizar criminalmente os bombeiros que atenderam à ocorrência; portanto, não estão alcançando o Corpo de Bombeiros como pessoa jurídica, como corporação. Querem alcançar, em um processo criminal, os sofridos bombeiros mal remunerados, os bombeiros que reivindicam melhores condições de vida e são perseguidos. Para o Desembargador e sua esposa, entre morrer queimados e morrer pelo impacto no solo, a opção trágica foi pular do prédio. Agora, atribuir culpa aos bombeiros que atenderam à ocorrência, alegando falta de prestimosidade, chega a ser um excesso igual à tentativa de responsabilizar os pedreiros pela queda do prédio na rua 13 de Maio. 
Venho a esta tribuna para solicitar que o nosso Ministério Público, através de seus promotores, analise com muito cuidado situações que obviamente não vão ter consequências nas varas criminais mas que seguramente deixam mal a imagem do Ministério Público.
Deixo aqui a minha solidariedade aos Bombeiros Militares que atenderam àquela ocorrência e a certeza de que eles, com os meios disponibilizados, fizeram o melhor para salvar vidas e para salvar o patrimônio.


Carlos Lupi, “não tem autoridade política nem moral” para me expulsar do partido.

Paulo Ramos: "Lupi não tem autoridade política nem moral"

Ao ser questionado pelo Jornal do Brasil sobre o processo que responde na Justiça, o deputado estadual Paulo Ramos (PDT-RJ) afirmou que o presidente nacional da legenda, Carlos Lupi, “não tem autoridade política nem moral” para expulsá-lo do partido.Lupi abriu um processo na justiça pedindo indenização de R$ 50 mil, pois, segundo o mandatário pedetista, Ramos estaria maculando a imagem do PDT. Ramos afirmou ainda que “os imorais estão falando demais”.
 “O PDT se esgotou e perdeu a sua identidade na gestão Lupi. Não tem outra saída para o partido senão substituir a direção. Estamos lutando internamente e esperando que o Lupi tenha uma crise de consciência e deixe o partido por conta própria”, disparou o deputado estadual pedetista.

Reprodução do JB

CPI DO FUNESBOM