terça-feira, 26 de fevereiro de 2013

POLICIAIS MILITARES DE UNIDADES DO INTERIOR DO ESTADO, ESTÃO SENDO TRANSFERIDOS PARA AS UPP's

Recebi uma correspondência de policiais militares que estão sendo transferidos de unidades do interior para o cumprimento de escala de serviço 12 por 36 nas Unidades de Polícia Pacificadora. Estão sendo submetidos a uma grande arbitrariedade. Não é possível imaginar que um profissional da segurança pública, por ser militar, tenha que ser constrangido a abandonar a sua família. É razoável concluir que numa escala 12 por 36 o retorno para os municípios do interior consome tempo e dinheiro. É um atentado inclusive contra a família, porque além de não ter o descanso perde a possibilidade de dar-lhe atenção.
Mas há algo também que agrava. Muitos fizeram concurso e no edital constava uma cláusula: o concurso era destinado às regiões do chamado interior. Muitos se deslocaram com suas famílias para lá, para as unidades; outros constituíram família já nesses outros municípios e agora estão sendo vítimas dessa arbitrariedade. Eu não sei quem será capaz de frear esses esbirros autoritários e irresponsáveis. Não é possível esperar uma boa prestação de serviço de um homem que é constrangido a deixar de cuidar de sua família e com o salário amesquinhado; gastando muito mais, por vezes, com o transporte do que com a alimentação dos filhos.
O Secretário de Estado de Segurança Pública, que proclama o êxito das Unidades de Polícia Pacificadora, que pelo menos respeite os policiais militares. Que o comandante-geral da Polícia Militar, que pertence aos quadros da corporação, saiba proteger seus comandados e não causar esse tipo de perseguição. É uma corporação militar, logo todos devem cumprir ordens.
Mas há também algo que é conhecido: ordem errada não se cumpre. Quando houver uma insubordinação, que seria razoável compreender, as medidas punitivas virão. Então, que possamos aqui, pelo menos na Comissão de Segurança Pública da ALERJ, trazer o secretário da pasta para que ele possa explicar as razões de tamanho desatino.

Nenhum comentário:

Postar um comentário